a luta continua: Dilma Presidente

Archive for AM|Yearly archive page

Dichos que me llenan de orgullo y esperanza

In Uncategorized on 19/11/2010 at 8:56

de José Mujica, presidente de Uruguay

Meu amigo Israel Vaisencher me enviou este texto do presidente Mujica, do Uruguai, acompanhdo de um bilhetinho curto

acho q merece o seu blog:-)

Reproduzo o texto, enviando um abraço de agradecimento ao Israel.

Dichos que me llenan de orgullo y esperanza,
Ustedes saben mejor que nadie que en el conocimiento y la cultura no sólo hay esfuerzo sino también placer. Dicen que la gente que trota por la rambla, llega un punto en el que entra en una especie de éxtasis donde ya no existe el cansancio y sólo le queda el placer.

Creo que con el conocimiento y la cultura pasa lo mismo. Llega un punto donde estudiar, o investigar, o aprender, ya no es un esfuerzo y es puro disfrute.

¡Qué bueno sería que estos manjares estuvieran a disposición de mucha gente!

Qué bueno sería, si en la canasta de la calidad de la vida que el Uruguay puede ofrecer a su gente, hubiera una buena cantidad de
consumos intelectuales.

No porque sea elegante sino porque es placentero.

Porque se disfruta, con la misma intensidad con la que se puede disfrutar un plato de tallarines.

¡No hay una lista obligatoria de las cosas que nos hacen felices!

Algunos pueden pensar que el mundo ideal es un lugar repleto de shopping centers.

En ese mundo la gente es feliz porque todos pueden salir llenos de bolsas de ropa nueva y de cajas de electrodomésticos.

No tengo nada contra esa visión, sólo digo que no es la única posible.

Digo que también podemos pensar en un país donde la gente elige arreglar las cosas en lugar de tirarlas, elige un auto chico en lugar de un auto grande, elige abrigarse en lugar de subir la calefacción.

Despilfarrar no es lo que hacen las sociedades más maduras. Vayan a Holanda y vean las ciudades repletas de bicicletas. Allí se van a dar cuenta de que el consumismo no es la elección de la verdadera aristocracia de la humanidad. Es la elección de los noveleros y los frívolos.

Los holandeses andan en bicicleta, las usan para ir a trabajar pero también para ir a los conciertos o a los parques.

Porque han llegado a un nivel en el que su felicidad cotidiana se alimenta tanto de consumos materiales como intelectuales.

Así que amigos, vayan y contagien el placer por el conocimiento.

En paralelo, mi modesta contribución va a ser tratar de que los uruguayos anden de bicicleteada en bicicleteada.

LA EDUCACIÓN ES EL CAMINO

Y amigos, el puente entre este hoy y ese mañana que queremos tiene un nombre y se llama educación.

Y miren que es un puente largo y difícil de cruzar.

Porque una cosa es la retórica de la educación y otra cosa es que nos decidamos a hacer los sacrificios que implica lanzar un gran esfuerzo educativo y sostenerlo en el tiempo.

Las inversiones en educación son de rendimiento lento, no le lucen a ningún gobierno, movilizan resistencias y obligan a postergar otras demandas.

Pero hay que hacerlo.

Se lo debemos a nuestros hijos y nietos.

Y hay que hacerlo ahora, cuando todavía está fresco el milagro tecnológico de Internet y se abren oportunidades nunca vistas de
acceso al conocimiento.

Yo me crié con la radio, vi nacer la televisión, después la televisión en colores, después las transmisiones por satélite.

Después resultó que en mi televisor aparecían cuarenta canales, incluidos los que trasmitían en directo desde Estados Unidos, España e Italia.

Después los celulares y después la computadora, que al principio sólo servía para procesar números.

Cada una de esas veces, me quedé con la boca abierta.

Pero ahora con Internet se me agotó la capacidad de sorpresa.

Me siento como aquellos humanos que vieron una rueda por primera vez.

O como los que vieron el fuego por primera vez.

Uno siente que le tocó en suerte vivir un hito en la historia.

Se están abriendo las puertas de todas las bibliotecas y de todos los museos; van a estar a disposición, todas las revistas científicas y todos los libros del mundo.

Y probablemente todas las películas y todas las músicas del mundo.

Es abrumador.

Por eso necesitamos que todos los uruguayos y sobre todo los uruguayitos sepan nadar en ese torrente.

Hay que subirse a esa corriente y navegar en ella como pez en el agua.

Lo conseguiremos si está sólida esa matriz intelectual de la que hablábamos antes.

Si nuestros chiquilines saben razonar en orden y saben hacerse las preguntas que valen la pena.

Es como una carrera en dos pistas, allá arriba en el mundo el océano de información, acá abajo preparándonos para la navegación trasatlántica.

Escuelas de tiempo completo, facultades en el interior, enseñanza terciaria masificada.

Y probablemente, inglés desde el preescolar en la enseñanza pública.

Porque el inglés no es el idioma que hablan los yanquis, es el idioma con el que los chinos se entienden con el mundo.

No podemos estar afuera. No podemos dejar afuera a nuestros chiquilines.

Esas son las herramientas que nos habilitan a interactuar con la explosión universal del conocimiento.

Este mundo nuevo no nos simplifica la vida, nos la complica..

Nos obliga a ir más lejos y más hondo en la educación.

No hay tarea más grande delante de nosotros.

JOSE MUJICA (PRESIDENTE DEL URUGUAY)

Anúncios

Um poema de Mario Benedetti (e a tradução de Juan Ojea)

In Uncategorized on 09/11/2010 at 20:33

Antonio,

sabendo que você gosta de Mario Benedetti,  lhe envio este poema bastante apropriado para a época.

Abraço, Juan.

GRIETAS

La verdad es que
grietas
no faltan

así al pasar recuerdo
las que separan a zurdos y diestros
a pequineses y moscovitas
a présbites y miopes
a gendarmes y prostitutas
a optimistas y abstemios
a sacerdortes y aduaneros
a exorcistas y maricones
a baratos e insobornables
a hijos pródigos y detectives
a borges y sábato
a mayúsculas y minúsculas
a pirotécnicos y bomberos
a mujeres y feministas
a aquarianos y taurinos
a profilácticos y revolucionarios
a vírgenes e impotentes
a agnósticos y monaguillos
a inmortales y suicidas
a franceses y no franceses

a corto o a larguísimo plazo
todas son sin embargo
remediables

hay una sola grieta
decididamente profunda
y es la que media entre la maravilla del hombre
y los desmaravilladores

aún es posible saltar de uno a otro borde
pero cuidado
aquí estamos todos
ustedes y nosotros
para ahondarla

señoras y señores
a elegir
a elegir de qué lado
ponen el pie.

Rachaduras

A verdade é que
rachaduras
não faltam
assim de passagem lembro
a que separa destros e canhotos
a Pequineses e Moscovitas
a hipermetropia e miopia
a policiais e prostitutas
a otimistas e abstêmios
a sacerdotes e alfandegários
a exorcistas e viados
a baratos e insubornáveis
a filhos pródigos e detetives
a Borges e Sabato
a maiúsculas e minúsculas
a pirotécnicos e bombeiros
a mulheres e feministas
a aquarianos e taurinos
a profiláticos e revolucionários
a virgens e impotentes
a agnósticos e coroinhas
a imortais e suicidas
a franceses e não franceses
a curto ou longuíssimo prazo
todos são ainda
remediáveis

há uma única rachadura
decididamente profunda
é a que fica entre a maravilha do homem
e os desmaravilhadores
ainda é possível pular de uma margem para outra
mas cuidado
aqui estamos todos

vocês e nós

para torná-la mais funda

Senhoras e Senhores
é preciso escolher
escolher de que lado
por o pé.

Tudo azul no sul do Brasil?

In Uncategorized on 05/11/2010 at 23:15

Por Doris Fontes

Fim das eleições, vitória de Dilma apesar de a grande imprensa ter tentando, de todas as formas, emplacar o candidato Serra aberta ou veladamente. Embora os opositores do governo Lula afirmem que a imprensa é justa, convenhamos que ela foi extremamente sórdida, adotando todas as técnicas e cérebros para esconder qualquer informação que pudesse levar o (e)leitor a escolher Dilma. Mas, inconformados com a derrota de Serra, a grande imprensa (apelidada de PIG, Partido da Imprensa Golpista) passou a exercer uma nova função: a de desqualificar os votos da Dilma, enaltecendo aqueles dados para Serra em “terras desenvolvidas”. Com uma votação beirando os 50%, cada um pode ver o copo semicheio ou semivazio. Mais uma vez, acredito no papel das inúmeras redes que se formaram na internet, quase que em regime de vigília, para que os boatos, as calúnias e notícias manipuladas não reinem solenemente entre todos nós.

Para quem acha que a imprensa faz sempre uma leitura correta, veja o que escreve um dos donos da verdade, o Sr. Augusto Nunes, da VEJA:

“Popularidade não rima com voto, reiterou a paisagem eleitoral. No Brasil das pesquisas, Lula vai beirando os 100% de aprovação (ou 103%, se a margem de erro for camarada). Na vida como ela é, a unanimidade foi rebaixada a 56% dos votos válidos. Dilma venceu na metade superior do mapa . Foi derrotada na outra — e perdeu feio nas regiões especialmente desenvolvidas. Os candidatos do PSDB foram vitoriosos no Paraná, em São Paulo, em Minas Gerais, no Tocantins, no Pará, em Alagoas, em Roraima e em Goiás. Como o DEM venceu em Santa Catarina e no Rio Grande do Norte, a oposição vai governar 53% do eleitorado e a maioria da população brasileira.” (http://migre.me/1WQJo)

Quem disse que a Dilma “perdeu feio nas regiões especialmente desenvolvidas”? Que regiões são essas? Considerando o Estado de SP, talvez o “mais desenvolvido” do país, podemos também fazer uma análise mais otimista para a Dilma.

No Estado de São Paulo, Dilma venceu em 205 dos 645 municípios. No maior município do Estado, São Paulo, Serra recebeu apenas 53,6% dos votos (3.427.671), portanto, não é uma “lavada”. Tampouco Serra é um “grande vencedor” em outros grandes municípios do nosso Estado: dos 23 municípios com mais de 150 mil votos válidos, Dilma venceu em oito deles (sendo a votação mais significativa em Diadema, onde conseguiu 66,5% dos votos) e, nos demais, Serra conseguiu emplacar mais de 65% apenas em Piracicaba (65,1% dos votos). A soma total de votos pró-Dilma nestes 23 municípios representa 47,3%, contra 52,7% de Serra, portanto, não vejo uma votação avassaladora aqui. Se contabilizarmos os votos das sete maiores cidades com mais de 300 mil votos (exceto São Paulo), Dilma recebeu 49,6% dos votos, contra 50,4% de Serra (26.884 votos a mais). Diria que foi um empate. Além disso, se é para relativizar (e minimizar) os votos da Dilma no Estado de São Paulo, podemos fazer o mesmo com os de Serra afirmando que seus 12.308.483 eleitores representam menos de 30% da população do Estado.

Uma outra forma de ver a votação “avassaladora” de Serra nos Estados mais desenvolvidos seria analisando pelo IDH (dados de 2007). O maior índice é encontrado no DF, onde Dilma venceu com 52,8% dos votos. Somando os votos de Dilma nos 10 estados com os maiores índices de IDH, temos 32.519.011 (50,9%) contra 34.024.076 (49,8%) de Serra.

Analisando o desenvolvimento pelo PIB (dados de 2007), podemos fazer o mesmo somando os votos de Dilma nos 10 estados com a maior participação no PIB nacional. Sob essa ótica, Dilma recebeu 53,8% dos votos.

Quem quiser conferir o mapa Serra x Dilma, basta ver http://www.estadao.com.br/especiais/mapa-da-votacao-para-presidente-nos-municipios,123626.htm e clicar em Serra ou Dilma. Notem que há muito pouco “azul escuro”, significando que não há tantas regiões cujos percentuais favoráveis a Serra ultrapassem os 65%.

É possível fazer ainda várias outras análises trazendo informações mais positivas para os eleitores da Dilma. Vamos fazendo aos poucos?

Doris Fontes é estatística, formada na USP. Como cidadã e como estatística ela não se conforma com a manipulação de dados e a desinformação que uma certa imprensa golpista vem promovendo descaradamente.


Serra plantou ódio, país colhe preconceito.

In Uncategorized on 04/11/2010 at 17:21

Antonio,

esta é uma realidade que não podemos ignorar. Foram 43 milhões de votos e um rastro de destruição dos nossos melhores valores e estímulo à faceta mais vil  do preconceito (se é que existe alguma pior que a outra…).

Uma espécie de Nazismo à brasileira… Uma lástima!!!

Bernadete Faria

(do Blog de Altamiro Borges) 

 

A campanha conservadora movida pelos tucanos, a misturar religião e política, trouxe à tona o lodo que estava guardado no fundo da represa. A lama surgiu na forma de ódio e preconceito. Muita gente gosta de afirmar: no Brasil não há ódio entre irmãos, há tolerância religiosa. Serra jogou isso fora. A turma que o apoiava infestou a internet com calúnias. E, agora, passada a eleição, o twitter e outras redes sociais são tomadas por manifestações odiosas. 

Como se vê no vídeo acima, não foi só a tal Mayara (estudante de Direito!!!) que declarou ódio aos nordestinos. Há muitos outros. Com nome, assinatura. É fácil identificar um por um. E processar a todos! O Ministério Público deveria agir. A Polícia Federal deveria agir.

E nós devemos estar preparados, porque Serra fez dessas feras da direita a nova militância tucana. Jogou no lixo a história de Montoro e Covas. Serra cavou a trincheira na direita. E o Brasil agora colhe o resultado da campanha odiosa feita por Serra.

Desde domingo, muita gente já fez as contas e mostrou: Dilma ganharia de Serra com ou sem os votos do Nordeste. Não dei destaque a isso porque acho que é – de certa forma – uma rendição ao pensamento conservador. Em vez de dizer que Dilma ganhou “mesmo sem o Nordeste”, deveríamos dizer: ganhou – também – por causa dos nordestinos. E qual o problema?

E deveríamos lembrar: Dilma ganhou também com o voto de quase 60% dos mineiros e dos moradores do Estado do Rio. E ganhou com quase metade dos votos de paulistas e gaúchos.

Parte da imprensa – que, como Serra, não aceita a derrota e tenta desqualificar a vitoriosa – insiste no mapinha ”Estados vermelhos no Norte/Nordeste x Estados azuis no Sul/Sudeste”. O interessante é ver a votação por municípios, e não por Estados: há imensas manchas vermelhas nesse Sul/Sudeste que alguns gostariam de ver todo azulzinho.

No Sul e no Sudeste há muita gente que diz: “não ao ódio”. Se essa turma de mauricinhos idiotas quiser brincar de separatismo, vai ter que enfrentar não apenas o bravo povo nordestino. Vai ter que enfrentar gente do Sul e Sudeste que não aceita dividir o Brasil.

Serra do bem tentou lançar o Brasil no abismo. Não conseguiu. Mas deu combustível para esses idiotas. Caberá a nós enfrentá-los. Com a lei e a força dos argumentos.

.

A última fala do Candidato Natimorto

In Uncategorized on 02/11/2010 at 19:25

Leia a última cena do Teatro Horroso:

A última fala do Candidato Natimorto.

O blog continua

In Uncategorized on 02/11/2010 at 13:51

Queridos amigos,

ontem comemoramos a vitória da Dilma. Hoje o blog volta à ativa. É que a necessidade de estar alerta e combater a desinformação continua presente.

Nosso blog modestamente contribuiu para a vitoria da Dilma, sendo um pequeno nó na grande rede de informação alternativa criada espontaneamente em todo o país. Foi essa rede que tornou impossivel a manipulação completa das informações pela direita e pelo PIG.

Hoje ainda escrevi uma cena de Teatro Horroroso. Eu simplesmente redigi a cena espantosa representada pelo candidato da direita no domingo à noite. Espero nunca mais ter que falar desse candidato horrivel. Tomara que apareça em breve uma oposição democrática que apresente idéias e projetos, e tome o lugar da atual oposição golpista.

Com mais calma, passada a febre e a urgência da campanha, nosso blog vai falar de pesquisa e ensino no Brasil. E para comecar, dentro de alguns dias teremos uma matéria um pouco mais longa sobre a Olimpíada Brasileira de Matemática da Escola Pública que para mim é a maior ação já feita para mudar o ensino da matemática no Brasil.

Termino este pequeno “editorial” me apresentando. Meu nome é Antonio Galves. Sou Matemático, Professor Titular da USP e membro da Academia Brasileira de Ciências. Com o apoio de alguns amigos, iniciei esse blog há duas semanas atrás, para contribuir de alguma maneira com a campanha da Dilma.

Viva o Brasil, viva Dilma Roussef,  eleita presidente para continuar a construção de um país mais rico, mais justo e mais fraterno.

Abraços a todos,
Antonio.

Dilma e a vitória da militância, no Blog do Rovai

In Uncategorized on 02/11/2010 at 9:37

Dilma venceu as eleições de ontem com 12 milhões de votos em relação a José Serra. Não é pouco. Mas também não é tanto quanto parece. Não fosse a militância ter assumido a disputa como sua, ao final da primeira semana do segundo turno, e provavelmente a vaca teria ido para o brejo mesmo depois de o PT e partidos aliados terem construído com Lula o governo mais popular da história do país.

Veja a íntegra do texto no Blog do Rovai, clicando aqui.

“Se acaso acontecer uma mulher na Presidência, é sapiência, é sapiência …”

In Uncategorized on 30/10/2010 at 15:09

Partido Alto

In Uncategorized on 30/10/2010 at 10:29

Votei na Marina, agora apoio Dilma

In Uncategorized on 29/10/2010 at 21:46

Por Mauro de Almeida

I

Votei na Marina no primeiro turno, porque ela prometia ser a continuidade das boas políticas do governo Lula, e porque pensava que a campanha dela traria bons assuntos para o debate público. Agora sou a favor de Dilma no segundo turno porque que confio nela para continuar essas boas politicas: a redução da desigualdade, a inclusão das minorias e o incentivo ao multiculturalismo. Durante o governo Lula cresceram as conquistas dos seringueiros, dos quilombolas, dos faxinalenses, dos caiçaras. Também cresceu a disputa ferrenha dos grandes negócios pelas terras públicas que esses grupos ocupam, que são florestas, faxinais, chapadas e praias em todas as regioes do país.

Também acompanho o progresso na luta dos sem-terra durante o governo Lula. Somados, esses movimentos significam uma nova forma de reforma agrária em curso no país. E a Confederação Nacional da Agricultura sabe disso: representando os interesses dos grandes negócios rurais, ela financia a campanha de Serra e deposita esperanças na vitória dele para reverter essas politicas. As politicas multiculturais do governo Lula estão tendo efeitos nos currículos do ensino publico, na diversificação do acesso à universidade, e em muitas outras ações que aumentaram a auto-estima do povo brasileiro em suas várias facetas étnicas e culturais. Também aqui vejo os inimigos irados do multiculturalismo se engajarem na campanha contra Lula e Dilma, pondo suas fichas em Serra.

Durante muitos anos cansei de ouvir falar em “bolsa-esmola”, em “bolsa-preguiça” e outros mantras criados para amesquinhar um programa de redução da pobreza e de investimento no povo que é é exemplo no resto do mundo e devia ser motivo de orgulho para os brasileiros. O argumento economicista das eleiçoes de 2006 era que esse dinheiro devia servir para empresários “criarem empregos” (“produzir para empregar” é o lema da oposição aqui no Acre), em vez de virar poder de compra na mão de mães-de-familia. Como dar crédito à súbita mudança dos adversários da “bolsa-esmola” que passam a apoiá-la às vésperas da eleição de 2010? Em vista de tudo isso, não há outra opção, o voto é no Lula e na Dilma.

II

Vejo essas coisas no dia a dia e nas viagens que recomecei a fazer por cantos pouco conhecidos do Brasil. Um exemplo é o município de Marechal Thaumaturgo, onde estou agora. Fica na fronteira com o Peru, e era até pouco tempo classificado como um dos mais baixos indices de desenvolvimento humano do pais. Não que esse índice diga tudo, porque ele não pega a fartura alimentar: peixe nas piracemas do verão, duas safras anuais em terras fertilíssimas. A dificuldade era a saúde, a educação, a venda dos produtos, e a falta de contato com o mundo. Hoje em dia, os índios Ashaninka, os Kaxinawá e os seringueiros vivem em Terras Indígenas e Reservas Extrativistas, e espalharam-se por toda parte as escolas, o atendimento de saúde, casas boas, e luz elétrica.

Com o dinheiro das bolsas-família, das aposentadorias rurais e dos salários dos professores, agentes médicos e funcionários, cresceu o mercado para os produtos agrícolas: tudo o que se planta vende. Antigos seringueiros hoje mandam os filhos e filhas para a escola, e ao mesmo tempo ganham dinheiro produzindo frutas, hortaliças, tabaco, farinha. Mas também aqui há coisas novas: seu Ezequiel mostra um pé de macaxeira e diz: “Nesse pé vou ganhar cem reais, porque vou fazer com a raiz cem quibes de macaxeira”. Os quibes de macaxeira são vendidos em um quiosque em Marechal Thaumaturgo, junto com picolés e sucos também feitos com produção de Ezequiel. O detalhe interessante é que Ezequiel trabalha em terra pública, não faz queima da floresta para plantar. A luta dos seringueiros a vinte anos atrás lembra a luta dos faxinalenses hoje em dia. Os faxinais são bosques onde crescem bosques nativos em que se misturam erva mate, araucárias e muitas árvores frutíferas, e sao criadouros comunais para porcos, carneiros e cavalos por camponeses que conservam suas lavouras fora dessas belas paisagens que sobreviveram à invasao de pastos e soja.

Levantamentos recentes mostraram que há mais de duzentos faxinais no Paraná, que hoje em dia passaram da resistência silenciosa a uma luta politica para defender os bosques e o sistema tradicional de uso coletivo que é a barreira contra sua destruiçao. O clima era de apreensão com o rumo das eleições, porque ali não havia dúvida nenhuma: as políticas do governo do Lula, ao lado das politicas do governo estadual, foram essenciais para a defesa dos faxinais.